Follow by Email

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Pratique esporte, pratique saúde, PRATIQUE PILATES.

Hoje em dia existem muitos questionamentos sobre esporte e saúde.  O que antigamente era considerado uma verdade absoluta, “esporte é saúde”, hoje pode ser questionável. O esporte é considerado uma atividade metabólica e regular, associando resultados com anatomia de gestos. A busca por resultados cada vez mais próximos dos limites corporais têm colocado em xeque se a atividade esportiva de alto nível é considerada saúde. Na contramão desse conceito e trazendo mais a atividade esportiva para a realidade da sociedade, a atividade esportiva regular, além de extremamente lúdica, combate o estresse, é fundamental para o bem-estar, ajuda a alcançar o equilíbrio perfeito entre físico e mental. E é nesse ponto que a atividade esportiva dialoga com o Pilates. O Pilates enquanto atividade regular promove condicionamento, bem-estar, consciência corporal, tudo isso, com equilíbrio entre corpo e mente. Além disso, a prática do Pilates pode ser usada como ferramenta de autoconhecimento, consciência corporal e educação do movimento, contribuindo para o conhecimento do funcionamento do próprio corpo, estabelecimento de limites e prevenção de lesões, tanto para Atletas de alto rendimento, como para praticantes regulares de atividades esportivas, para tanto pratique esporte, pratique saúde, PRATIQUE PILATES.
Fonte:  Dr. Renato Lins

                            

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Calendário de Cursos 2014

Bom dia!!!
Fique por dentro dos Cursos 2014 e garanta a sua inscrição!
Acesse: www.abpilates.com.br


Já fez seu Pilates hoje?


Autor: Caroline Schiff/Royalty Free

Fonte: Revista Abril

O nome está por toda parte e todo mundo quer tentar – 
mesmo sem saber bem do que se trata.

                                         
                                                                  Exercício no "cadillac": estica-e-puxa para alinhar a postura

Primeiro veio Madonna, com sua incrível flexibilidade corporal, dizer que, além de ioga, praticava Pilates, e o que era um método de exercícios só para iniciados começou a ficar conhecido. Outros famosos se seguiram, de Sting até Danielle Winits, passando pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Transposta a surpresa inicial, os homens pararam de fazer cara de ignorância quando mulheres ou namoradas diziam que estavam indo para a "aula de Pilates". Mais surpreendentemente ainda, eles também começaram a aparecer, meio sem jeito, nas sessões de alongamento muito puxado e realinhamento corporal. Todos, claro, munidos de recomendação médica para os onipresentes problemas de coluna. Hoje é difícil encontrar academia ou clube que não tenha algum tipo de Pilates no cardápio; tanto o de grife, ou seja, chancelado por professores formados em linha direta pelo criador do método, quanto o, digamos, genérico. Para quem foge à simples menção da palavra ginástica, um resumo: Pilates é composto de uma série de exercícios, na maioria praticados sobre aparelhos próprios, numa espécie de coreografia de ângulos exatos que, sustentada na respiração e na contração da região do abdômen, tem o objetivo de flexibilizar e rearranjar os músculos que sustentam a coluna e definem a postura. Complicado de descrever, e de fazer, mas potencialmente salvador. "É altamente recomendado a pacientes que têm problemas nas costas por má postura ou falta de alongamento – ou seja, a maioria", diz o Reumatologista Daniel Feldman, professor da Universidade Federal de São Paulo. 
Muitos dos "Pilates" de hoje seriam quase irreconhecíveis para o alemão Joseph Pilates, que primeiro desenvolveu o método em proveito próprio (foi uma criança raquítica e asmática) e mais tarde, como enfermeiro na I Guerra Mundial, o aplicou na reabilitação de soldados com problemas de mobilidade por causa de ferimentos. A partir das camas hospitalares, Pilates inventou equipamentos como o reformer, um carrinho preso por molas e cordas, e o "cadillac", uma espécie de maca equipada com alças e barras. Em 1926, ele se mudou para Nova York e abriu o primeiro estúdio, que tocou pessoalmente até morrer, aos 87 anos. No Brasil, sua cartilha de mais de 1.000 exercícios é fiel e devotamente reeditada pela chilena Inelia Garcia, dona da franquia nacional do The Pilates Studio, com quarenta unidades e cerca de 6.000 alunos. Inelia foi treinada nos Estados Unidos por Romana Kryzanowska, americana que aprendeu a técnica com Papa Joe (como era chamado) e se considera sua única sucessora legítima. "As academias compram os equipamentos e põem as pessoas para fazer ginástica localizada, que não tem nada a ver com o método", indigna-se Inelia. "Na verdade, cada aluno que virou instrutor teve sua própria vivência e visão, apesar de todos fazerem aula no mesmo espaço. Cada um criou sua linha de trabalho, que teve seus filhotes", contemporiza a baiana Alice Becker, pioneira da prática no país e fundadora do Physio Pilates, que tem parceria com vinte centros no Brasil e um na Argentina. Na opinião de Alice, "é tudo pilates, sim". Quer dizer, quase tudo. Jumpilates (intercalar três minutos de pulos com um minuto de pilates ou coisa parecida), iogilates (pilates aliado a meditação) e swim pilates (na piscina) têm muito pouco a ver com a receita do fundador alemão. A distância fica maior ainda quando, à coreografia do pilates, toda pensada para esticar e alongar, se misturam os pesos e a força da musculação, que caminha na direção exatamente oposta. O gosto pelo modismo costuma ser maior do que a preocupação com a pureza. Na academia Bio Ritmo, que oferece uma adaptação da modalidade há cinco anos, 60% dos alunos de ginástica aderiram e a oferta pulou de duas aulas semanais para cinco por dia. Afinal, se Madonna faz, deve ser bom.